Faculdade de Astronomia

06-02-2020

Wiki das Exatas: Faculdade de Astronomia

A astronomia tem uma história muito fascinante e a Faculdade de Astronomia é o portal de entrada para esse universo repleto de estrelas, astros, constelações, nebulosas e mistérios a serem explorados!

A astronomia tem uma história muito fascinante! Pois é  a mais antiga das ciências exatas. Afinal, o céu sempre foi um enigma para os homens, que querem desvendar os seus mistérios.

Além disso, é uma ciência que sempre deu espaço para os amadores contribuírem com suas descobertas incríveis e lida com diversas áreas.
Se ficou curioso para saber um pouco mais e entender qual é o papel do astrônomo na sociedade atual, continue lendo! Vamos esclarecer sobre a faculdade de astronomia e o perfil e mercado de trabalho deste profissional.

 

A ciência Astronomia

O objeto da Astronomia é o estudo do universo e seus componentes. Como também dos fenômenos de origem fora da atmosfera da Terra. Assim, a grande preocupação dessa ciência é a formação e o desenvolvimento dos corpos celestes. Por isso é muito ligada com a física, a química e a matemática.

Certamente, é preciso esclarecer que a astronomia não está relacionada com a astrologia, como algumas pessoas acreditavam. Apesar da astrologia também ter interesse no estudo dos corpos celestes, ela tem diferenças de abordagem para com a astronomia.

Pois ela considera que as posições dos corpos celestes têm relação direta com os assuntos humanos. Aliás, como não é uma ciência o seu argumento não é comprovado cientificamente.

 

Faculdade de Astronomia – Formação Acadêmica

O curso de bacharelado em Astronomia é oferecido em poucas instituições de ensino no Brasil, sendo elas:

  • Universidade Federal de Sergipe (UFS)
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
  • Universidade do Estado de São Paulo (USP).

Na faculdade de astronomia o curso de bacharelado tem duração de oito semestres. A formação básica ocorre nos primeiros, no núcleo de exatas com física, cálculo e geometria analítica.

Nesse início já começa com a história da astronomia e à medida que o curso avança as matérias de cosmologia, astrofísica, instrumentação e análise de dados vão sendo introduzidas.

Para a conclusão do bacharelado não existe uma disciplina específica de estágio obrigatório. O aluno pode escolher fazer um estágio seja no campus ou em empresas que ofertarem vagas na área.

Se for no campus, poderá estagiar em programas de iniciação científica trabalhando com as técnicas utilizadas na pesquisa, que vão desde análise de dados astronômicos até a execução de missões observacionais em telescópios.

Como também tem a possibilidade de estagiar em museus de ciência e planetários, sendo que será de sua responsabilidade apoiar os palestrantes, manusear os telescópios e outros equipamentos.

E pode ainda estagiar na área de divulgação científica auxiliando instituições de astronomia ou jornalistas. Para isso, oferece apoio para o conteúdo ou mesmo a redação de artigos.

Muitas pessoas optam por ser astrônomos, mas com uma trajetória profissional um pouquinho diferenciada. Primeiro, ao invés de fazerem a faculdade de astronomia optam pelo bacharelado em física e depois o mestrado e doutorado em astronomia.

 

O perfil profissional e o mercado de trabalho

No começo da astronomia, ainda de forma amadora, o astrônomo observava o céu noturno horas a fio, desenhava os astros e fazia inúmeras anotações.

Atualmente, com o desenvolvimento das ciências e da tecnologia os astrônomos observam os astros por meio de computadores, controlando os telescópios e analisando as imagens e dados colhidos por câmeras avançadas tecnologicamente. O intuito é registrar, por exemplo, as explosões de estrelas gigantes e o surgimento de buracos negros.

Ciência interdisciplinar, a astronomia faz uso da geologia para auxiliá-la no trabalho de observação e teorização do universo. Além disso, as pesquisas estão buscando a aplicação dos conhecimentos astronômicos para realizar inovações na medicina, na biologia e na própria computação.

Na área de pesquisa, os astrônomos podem atuar em institutos como o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Ou também nas próprias faculdades de astronomia, envolvidos nas atividades de docência da instituição. Trabalhando na divulgação científica ou na academia o salário médio inicial de um astrônomo é em torno de 5 mil reais.

Além disso, o astrônomo pode também trabalhar em museus, planetários, observatórios e centros de cultura ocupando-se da montagem de exposições, gestão do espaço e coordenação das visitas. E em empresas de tecnologia, os astrônomos podem realizar a análise e tratamento de dados e controle de dispositivos.

Dessa forma, o trabalho de um astrônomo implica em gostar de matemática e física. Além de ter facilidade com tecnologia, um espírito investigativo e uma grande curiosidade de pesquisa para com o Universo.
A partir das informações apresentadas deu para você perceber como é estimulante a astronomia e suas aplicações!

 

Referências:

Ufmg

Ufscar